Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

UMA MÃE DE CORAÇÃO... e algo mais

Este blog, mais do que "mãe de coração" tem "fragmentos de uma vida comum". Uni os dois blogs e, aqui, falo de adopção em geral, da nossa experiência e de outros pedaços da minha vida.

UMA MÃE DE CORAÇÃO... e algo mais

Este blog, mais do que "mãe de coração" tem "fragmentos de uma vida comum". Uni os dois blogs e, aqui, falo de adopção em geral, da nossa experiência e de outros pedaços da minha vida.

25
Fev15

Os equilíbrios/desequilíbrios da sociedade

Na semana passada comecei a ler a crónica do Nuno Markl para o site Maria Capaz, sobre as desigualdades e desequilíbrios da nossa sociedade ao nível do género. Hoje (finalmente consegui ler do princípio ao fim) e adorando a forma como expôs o tema, encontrei num parágrafo a minha opinião dita de uma forma que considero brilhante.


 


"Eis o remate para toda esta confusão: larguem as etiquetas. O mundo é capaz de ser mais fácil se houver coisas de homem e coisas de mulher, um planeta transformado numa enorme casa-de-banho, com portas com um boneco com saia e outro sem. Mais fácil – mas também profundamente injusto e desequilibrado. Será infinitamente mais interessante e rico se elas nos ensinarem sobre funcionamento de motores e nós lhes ensinarmos sobre a melhor maneira de temperar peixe." por: Nuno Markl


 


No blog da Niki, ela questiona, num post desta semana, se estará no DNA feminino assumir automaticamente determinados papeis ou se é mais uma questão cultural, de experiências partilhadas de geração em geração. 


 


Para mim tudo se resume à experiência individual de cada um, só assim compreendo como é que uma menina que cresce cercada de carros aprenda mecânica enquanto que um menino que cresce numa cozinha se apaixona pela culinária!!!!


 


Em tempos fiz formação em Igualdade de Género e acredito que mais do que me elucidar sobre os momentos que marcaram a história, foi a tomada de consciência de como se constrói as consciências. 


 


Este é um tema de que voltarei a falar certamente, entretanto, recomendo, mais uma vez, leitura completa da crónica do Nuno Markl (e não, não recebo comissão).